Tudo o que você precisa saber para escrever um ótimo parecer descritivo.

Inêz Kwiecinski   /   Para a escola, Para os Professores   /   1 Comentário

Compartilhe este artigo!

Na psicopedagogia ao recebermos uma criança para avaliarmos, na maioria das vezes recebemos também o “Parecer Descritivo” daquela criança, um documento elaborado pela professora e disponibilizado pela escola onde a criança frequenta.

Vamos te contar agora tudo o que você precisa saber para escrever um ótimo parecer descritivo.

parecer descritivo

É preciso organização para escrever o parecer descritivo.

Este Parecer Descritivo nada mais é do que uma análise ou uma avaliação realizada ou, ainda, um diagnóstico em que o professor reconhece as necessidades das crianças e sugere uma estratégia para que elas se desenvolvam plenamente, tem como objetivo informar os adultos a buscar soluções para uma eventual dificuldade, nunca rotular a criança como boa ou ruim.

É a partir dessa análise que o professor pode definir suas próximas aulas sabendo que está fazendo o que é melhor para a evolução de cada criança de sua turma.

A maioria das escolas utiliza uma lista de objetivos de aprendizagem relacionados a seis grandes áreas de conhecimento: Artes, Música, Linguagem Oral e Escrita, Movimento, Matemática e Natureza e Sociedade.

Cada aluno é avaliado dentro de cada uma dessas áreas, o professor deve responder se o aluno atingiu ou não os objetivos traçados para cada uma dessas áreas.

Sim, Não ou em Andamento, tudo é medido e avaliado através destas 3 simples palavras, eu me pergunto, como podemos avaliar uma criança através de uma listagem de perguntas pré selecionadas, afinal, o desenvolvimento infantil não pode ser medido respondendo a uma listagem de perguntas, apenas com duas ou três palavras em uma tabela, certo?

É preciso espaço para fazer reflexões mais profundas sobre cada criança, sobre sua vida emocional e social que irão interferir no sucesso do aprendizado cognitivo da sua vida escolar.

Esta  tabela deve ser acompanhada de um bom parecer descritivo e para elabora-lo mantenha um estilo simples e conciso, fácil de compreender.

Quanto mais clara for a mensagem, melhor e mais eficaz o acompanhamento que essa criança vai receber de todas as frentes. Normalmente, o parecer não deve passar de uma ou duas páginas.

Existem listas que facilitam a compreensão, mas não esqueçam que o parecer deve contemplar a criança como um todo: não apenas o aprendizado cognitivo, tradicional, mas também seus aspectos sociais e emocionais

Young Girl Playing at Montessori/Pre-School

(Pré escola – imagem Google)

O que devemos avaliar no Parecer Descritivo?

Você deve olhar para o desenvolvimento integral de cada criança. É comum que os professores se sintam inseguros com o parecer descritivo, temendo estar deixando algo importante de fora.
Ao invés de começar a escrever sem um objetivo, agrupe seus registros e avaliações dentro destes aspectos:

Aspectos cognitivos: ou o aprendizado tradicional. Está relacionado à memória, pensamento crítico, compreensão de informações e aplicação dos conhecimentos em contexto real. Basicamente, o professor vai descrever como os alunos estão se saindo no ambiente de sala de aula, executando as atividades propostas e aprendendo os conteúdos selecionados pelo currículo.

Aspectos sociais: descreva como a criança se relaciona com os colegas, com o grupo e com outros adultos. Características como participação, cumprimento das regras, trabalho em equipe, organização e responsabilidade entram nessa categoria;

Aspectos emocionais: também é essencial abordar os comportamentos e expressões de emoção. Como ela lida com sucessos e fracassos? Como se sente no ambiente escolar? Como reage a novos desafios? De que forma lida com seus sentimentos (costuma chorar, tem alguma atitude agressiva, isola-se do resto da classe, etc.)?

Aspectos físicos: sua turma está em uma fase crítica de crescimento, e isso deve ser acompanhado de perto. Use esse espaço para falar do desenvolvimento da expressão corporal, ritmo e equilíbrio, motricidade ampla e fina, uso e aplicação de força.

Aproveite para descrever rapidamente questões de saúde e higiene que pareçam relevantes. Após descrever o desenvolvimento atual da criança, seus pontos fortes e dificuldades, sugira formas de superar os problemas em parceria com a família.

A estrutura do seu parecer deve conter:

1 – Experiências em que a criança se destaca;
2 – Experiências em que a criança está se desenvolvendo dentro do esperado;
3 – Experiências em que a criança está apresentando dificuldades;
4 – Possíveis ações para ajudá-la a superar essas dificuldades.

Caso você identifique problemas que precisem ser corrigidos, siga seu diagnóstico com possíveis ações. Explique brevemente o que está acontecendo e porque isso é problemático. Diga qual evolução você gostaria de ver e, então, aponte caminhos para atingi-la.

Mostre tanto o que pode ser feito pela escola e pelo professor quanto o que a família pode fazer em casa para auxiliar na mudança. Além disso, coloque-se à disposição dos pais para ajudá-los a superar a situação ou ouvir suas dúvidas e opiniões.

Lembre-se, o parecer descritivo é um documento da escola. Por isso, tome cuidado com erros de grafia, gramática, pontuação ou formatação. Não entregue textos rasurados.

Não se esqueça! Cada aluno é único, diferente, portanto pareceres iguais pressupõem alunos iguais. Evite expressões pejorativas, julgamentos ou ambiguidades.

Eu sei que dá trabalho, mas é importante que este parecer seja individual, exclusivo para cada criança.

Modelo de Parecer DescritivoSugestões de palavras e expressões para usar em Relatórios

Confira algumas maneiras de se expressar de forma profissional em seus relatórios:
Você pensa Você escreve
O aluno não sabe O aluno não adquiriu os conceitos, está em fase de aprendizado.
Não tem limites Apresenta dificuldades de autorregularão, pois…
É nervoso Ainda não desenvolveu habilidades para convívio no ambiente escolar, pois…
Tem o costume de roubar Apresenta dificuldade de autocontrole, pois…
É agressivo Demonstra agressividade em situações de conflito; usa meios físicos para alcançar o que deseja
É bagunceiro, relaxado, porco Ainda não desenvolveu hábitos próprios de higiene e de cuidado com seus pertences.
Não sabe nada Aprendeu algumas noções, mas necessita desenvolver…
É largado da família Aparenta ser desassistido pela família, pois…
É desobediente Costuma não aceitar e compreender as solicitações dos adultos; Tem dificuldades em cumprir regras.
É apático, distraído Ainda não demonstra interesse em participar das atividades propostas; Muitas vezes parece se desligar da realidade, envolvido em seus pensamentos.
É mentiroso Costuma utilizar inverdades para justificar seus atos ou relatar as atitudes dos colegas
É fofoqueiro Costuma se preocupar com os hábitos e atitudes dos colegas.
É chiclete É muito afetuoso; demonstra constantemente seu carinho…
É sonso e dissimulado Em situações de conflito coloca-se como expectador, mesmo quando está clara a sua participação.
É preguiçoso Não realiza as tarefas, aparentando desânimo e cansaço. Porém logo parte para as brincadeiras e outras atividades.
É mimado Aparenta desejar atenções diferenciadas para si, solicitando que sejam feitas todas as suas vontades.
É deprimido, isolado, anti-social Evita o contato e o diálogo com colegas e professores preferindo permanecer sozinho; Ainda não desenvolveu hábitos e atitudes próprias do convívio social.
É tagarela Costuma falar mais que o necessário, não respeitando os momentos em que o grupo necessita de silêncio.
Tem a boca suja Utiliza-se de palavras pouco cordiais para repelir ou afrontar.
Possui distúrbio de comportamento Apresenta comportamento fora do comum para sua idade e para o convívio em grupo, tais como…
É egoísta Ainda não sabe dividir o espaço e os materiais de forma coletiva.

Tem alguma outra sugestão? Escreva para nós!

 

Inêz Kwiecinski
Psicopedagoga Clínica com especialização em Neuropsicopedagogia.
É diretora do Espaço PsicoEnvolver, clínica multidisciplinar que tem a missão de ajudar no desenvolvimento de crianças com dificuldades de aprendizado. Escreve para o Blog PsicoEnvolver.

Compartilhe este artigo!